terça-feira, 14 de junho de 2011

A bêbada e o equilibrista





Seria agradável estar bêbeda:
infiel à minha língua e mãos,
desistindo de limites
pelo heróico gin.
Bêbeda de morte
é a expressão em que estou a pensar,
insensata,
nem fria nem quente,
Sem cabeça ou pé.
Estar bêbeda é ser íntima de um louco
Vou tenta-lo brevemente





Anne Sexton

Sem comentários:

Enviar um comentário