sábado, 2 de agosto de 2014

Grito



tropeço em tudo. Nos móveis, nas malas,nas pernas da mesa,nas minhas pernas. 
Não chego a cair: a casa é demasiado pequena. Fico contra uma parede, um armário, apoiada na aresta do fogão. 
No dia seguinte, dói-me todo o corpo. Dispo-me e olho. As nódoas negras.





 Rui Nunes