quinta-feira, 18 de agosto de 2016




E há memórias
 deste amor? A voz sem as palavras, um livro lido  
às escuras, um bilhete cifrado deixado num hotel,  
um velho calendário cheio de desencontros? Não, 
 não há memória deste amor. 






 Maria do Rosário Pedreira