sábado, 9 de outubro de 2021

coisas vagas



Por sorte andas bem longe, lá por fora, 
 já me esqueci de ti completamente. 
 É mais fácil assim, saber-te ausente,
 corre mais fina a vida junto à morte. 
 Na caixa do correio só encontro
 cartas de beis imperadores, promessas 
 de palácios talhados em sal-gema, 
 ouros, tesouros, e outras coisas vagas;
 férias, talvez, no sultanato opaco
 onde me aguarda um paraíso intacto
 de virgens falsas e reais eunucos.
 Entre os meus dedos fica o lugar oco 
 onde tão certo deixo esse postal
 ilustrado do teu esquecimento. 






 António Franco Alexandre
 (Foto de Natalia Drepina)

quarta-feira, 6 de outubro de 2021

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

silêncio



 

No fundo só tenho uma pergunta: 
Quantas pessoas já ouviram o teu coração bater? 






Raquel Serejo Martins
(Foto de Nishe)

quarta-feira, 22 de setembro de 2021

outono





Senhor, está na hora. Foi imenso o Verão. 
Pousa a tua sombra sobre os relógios de sol 
e solta os ventos pelos prados

Ordena que engordem os últimos frutos; 
concede-lhes mais dois dias meridionais, 
impele-os para a conclusão, e busca 
a derradeira doçura no vinho pesado. 

Quem não tiver agora casa, já não a construirá.
 Quem estiver agora sozinho, assim permanecerá por muito tempo, 
vigiando, lendo, escrevendo longas cartas
 e deambulando pelas alamedas, para cá e para lá, 
desassossegado, enquanto as folhas se deixam levar. 






 Rainer Maria Rilke
 (tradução de Vasco Gato)

terça-feira, 21 de setembro de 2021