quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Fim de Ano


Quem me acode à cabeça e ao coração
neste fim de ano, entre alegria e dor?
Que sonho, que mistério, que oração?
AMOR


Carlos Drummond de Andrade

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Boa Noite




Dizias-me:
«Adeus, até amanhã.»

E eu não te dizia:
«Estou a morrer
de amor... Estou a morrer
.

Antonio Gala

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

domingo, 26 de dezembro de 2010

Oferenda



Todos os gestos do meu corpo e voz para fazer de mim a oferenda, o ramo que o vento abandona no umbral.


Alejandra Pizarnik

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Da Solidão




Gostava de estar sempre ao pé de ti
mas nunca estou mais perto do que quero
do que longe de ti quando a ti te desejo.
De dia embrulho-te num vestido escuro
para olhos estranhos me verem.
Quero ser sombra se tu estiveres ausente
tal como tu és sombra ao pé de mim.
desde que te amo estou só completamente.


Ulla Hahn

domingo, 19 de dezembro de 2010

Fogo Posto

O meu corpo, por onde quer que vá,
espalha incêndios que não me recordo como apagar...


Sergio Xarepe

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Digo-te


E eu digo: “abraça-me”. E os teus braços fazem-se.
E eu digo: “abrasa-me”. E tu fazes-te em braços.

Joana Serrado

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Dias Assim


Todos os relógios estavam do teu lado
eu só tinha a minha torre de espelhos
só tinha a noite e o silêncio
e nenhuma escada

sábado, 11 de dezembro de 2010

Quero

Um colo, um berço,um braço quente em torno do meu pescoço,uma voz que cante baixo e que pareça querer fazer-me chorar.
um calor no inverno,um extravio morno da minha consciência.
e depois, sem som,um sonho calmo,um espaço enorme como a lua rodando entre as estrelas



Fernando Pessoa ( Bernardo Soares)

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

domingo, 5 de dezembro de 2010

Promessas


Eu toco-me e pronuncio o teu nome
e enquanto ardo prometes sempre que voltas.
Não tenho a certeza, meu amor.
O mundo é um animal ofegante cujo hálito contém a perdição das rosas.





José Agostinho Baptista

sábado, 4 de dezembro de 2010

Viagens secretas


Da viagem secreta ao fundo do coração trouxe um sono vertiginosamente profundo. a água e o ópio a ausência e o ritual a epígrafe e o punhal a prece e a pressa de partir. amadureço este inverno que é segredo. e o óbvio é uma oração em rodapé





Isabel Mendes Ferreira

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Escreve-me



E quando me escrevias, era tão belo o que me contavas que me despia para ler as tuas cartas.
Só nua eu te podia ler.



Mia Couto

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Inverno




Num ímpeto
deitei sobre teu corpo
meu casaco

É inverno
veste-me com teus braços
dá-me conforto




Líria Porto

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

sábado, 27 de novembro de 2010

Diz-me


São os dedos que tocam as flores,
ou são estas que delicadamente pedem às mãos um gesto de caricia ?




Albano Martins

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Voltas ?

Tu vens todos os dias à noitinha
e despes-te com tanta lentidão
com tanta lentidão que se adivinha
a forma do teu próprio coração
E quando vais é já noite fechada
não sei se vou ficar se vou sair
não posso ter a alma sossegada
sem saber se amanhã tornas a vir




David Mourão-Ferreira

Diga não


quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Abandono

E abandonaste-me .
Num deserto que não conhecia.
Com uma casa inteira para percorrer com os meus passos por dentro da noite.
Ou fui eu quem te abandonou?



Casimiro de Brito

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Onde estou


Alguém procura onde eu estou só, e encontra
o campo desbaratado
e branco da sua solidão.




Herberto Helder

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Nada me pertenceu



Tu não me pertenceste - e, se uma vez acreditei que
acontecias dentro do meu corpo, das outras vi-te abraçar a
solidão com tanto ardor que concluí ser a memória quem
te mantinha vivo.
O meu coração, contudo, sempre te pertenceu
E a mão desesperada que o procura não sente bater longe do teu peito




Maria do Rosário Pedreira

sábado, 20 de novembro de 2010

Não deixes

Não deixes que o meu rosto se dissolva nas tuas mãos,
insiste no meu nome até que o mar ascenda à tua boca.





Vasco Gato

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Por vezes


Algumas portas fecham-se ao mesmo tempo que se fecham os corações.
Alguns ficam entalados.





Pedro Jordão

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Poema por ti


No espaço do meu corpo há um cheiro de maça verde
e eu habituei-me a esperar-te inteira
à beira do tempo enquanto as esquinas se dobram de espanto
Tu és a certeza nesta viagem pelo amanhecer tranquilo
em que a madrugada se despe das palavras quietas que cheiram a ti
Eu sou a incerteza da partida que sabe a desejo

Antonio Sem

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Sinal vermelho


É sempre a mesma curva cega, neste troço de pedra lascada,
não há como escapar às primeiras chuvas
ao piso escorregadio dos olhos,
despiste, falésia mortal,
o coração não entende sinais vermelhos





Renata Correia Botelho

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Dias Assim

Se me esfolassem agora
encontrariam o teu nome
colado num dos meus ossos

De mim, continuariam a nada entender





Manuel Cintra

sábado, 13 de novembro de 2010

Gotas de colírio



...E de poemas

Os teus lábios parados eram a noite, o abismo e o silêncio das ondas paradas de encontro às rochas. O teu rosto dentro das minhas mãos. Os meus dedos sobre os teus lábios e a ternura, como o horizonte, debaixo dos meus dedos. Os meus lábios a aproximarem-se dos teus lábios, a aproximarem-se dos teus lábios, a aproximarem-se dos meus lábios... teus lábios.

José Luís Peixoto

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Rouba-me



tira-me daqui.
leva-me a ver algo que não exista e não me devolvas.
rouba-me com loucura e sem pensar em mais nada









Valter Hugo Mãe

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Noites Assim



É à noite que o silêncio me grita a tua ausência
e o coração galopa imagens de ti
tão perto
tão longe







António Cardoso Pires


quinta-feira, 4 de novembro de 2010

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

És



És o dia do pêndulo, o instante
rasurado, és a hora
em que vejo chegar o lobo
pensando que é cão de guarda.
Renata Correia Botelho

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Sabes


sabes que o amor é feito de coisas bonitas que se dizem, coisas inventadas que te soam verdes de esperança, disfarces intencionais que te levam a crer em mim. não acredito no amor tolinho de quem é sincero, sou tão entregue à consciência pura do domínio que farei de cada coisa que te diga uma forma de te prender. e tu hás-de

rastejar por mim até ao fim dos tempos, para

me dares prazer, para me assistires, e eu nunca te substituirei, será essa a minha forma de te amar, será esse o meu garantido respeito




Valter Hugo Mãe

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Espelho meu

Olho-me nos teus olhos.
Não tem fundo a pura madrugada em que me afogo.
Na minha cama desfeita ainda o (teu) calor se deita

António Arnaut

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Procuro-te

Porém eu procuro-te.
Antes que a morte se aproxime, procuro-te. Nas ruas, nos barcos, na cama, com amor, com ódio, ao sol, à chuva, de noite, de dia, triste, alegre
Procuro-te






Eugénio de Andrade

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Noites Assim

 Por isso fecho os olhos
E convido a noite para a minha cama
...E sob a forma desejada
A noite deita-se comigo
E é a tua ausência
Nua nos meus braços





Alexandre O´Neill

sábado, 23 de outubro de 2010

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Despir-me

Tenho-te na pele como voz
que ainda não tive tempo de despir
faço uma pausa, escolho um vestido novo
mas mesmo assim fico um adereço imperfeito
no teu esquecimento




Maria Sousa

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Poemas perfeitos em noites escuras


que horas serão dentro do meu corpo?
que mineral vermelho jorraria se golpeasse
uma veia... não sei... não sei...






Al Berto

terça-feira, 19 de outubro de 2010

O que nunca te direi


Escrevo o teu nome e um pássaro levanta-se da terra -sobre o seu voo contariam os teus olhos mil histórias que eu escutaria com o mesmo silêncio admirado com que na boca cai um beijo ou a noite atira o amor para cima das camas.
Mas o lápis rola subitamente sobre a mesa e pára a sepultar as palavras que nunca te direi - porque o rio não regressa à cidade que primeiro beijou, nem o navio ruma jamais ao porto que o viu largar.







Maria do Rosário Pedreira

sábado, 16 de outubro de 2010

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

A ultima noite

Sinto que se aproxima de mim um destino que não escolhi.
O amor corrói-me a pele, mistura-se ao desejo e não me deixa sossegar, nem mesmo quando durmo
mas o amor não é eterno.
Deve ser avassaladora e medonha a última noite de amor



Al Berto

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Nega-me


Contradiz-me.
vá, nega a minha verdade,
convence-me de que há algo que te impregna mais a pele,
que se demora mais em ti.





Pedro Jordão

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Perdido




Me diz, me diz, me responde por favor
Pra onde vai o meu amor
Quando o amor acaba.






Chico Buarque