segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Pedaços de ti


Deixas-me com meus desamparos
Não sabes do estio dos meus lábios
E das marcas que abraçam minha solidão
Pedaços de ti que arranham meu corpo...


Fernanda Guimarães

domingo, 30 de agosto de 2009

Uma flor..

Uma flor nasceu na rua!
Passem de longe,
bondes,
ônibus,
rio de aço do asfalto do tráfego.
Uma flor ainda desbotada
Ilude a polícia,
rompe o asfalto.
Façam completo silêncio, paralisem os negócios,
garanto que uma flor nasceu.



Carlos Drummond de Andrade (A Flor e a Náusea)

sábado, 29 de agosto de 2009

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

A minha alma

Minha alma tem o peso da luz.Tem o peso da música.
Tem o peso da palavra nunca dita, prestes quem sabe a ser dita.Tem o peso de uma lembrança. Tem o peso de uma saudade.Tem o peso de um olhar.

Pesa como pesa uma ausência.
E a lágrima que não se chorou.
Tem o imaterial peso da solidão no meio de outros.
Clarice Lispector

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Coisas que gosto


E, no fim daquela noite, decidi tomar o caminho mais longo para atravessar a rua.




My Blueberry Nights

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Na tua mão

Que perfeito coração
no meu peito bateria,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde cabia
perfeito o meu coração.



sábado, 22 de agosto de 2009

Um tango




Quando te tenho sobre os joelhos
penso que sei tocar acordeon,
e brotam notas dos meus dedos
que eu sei bem que tu ouves
porque os teus olhos estão dançando um tango


JG de Araujo Jorge

Gotas de colirio



sexta-feira, 21 de agosto de 2009

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Um presente




O dia dos meus anos


Hoje já não faço anos.Duro.
Somam-se-me dias.Serei velho quando o for.
Mais nada.
Raiva de não ter trazido o passado roubado na algibeira !...
O tempo em que festejavam o dia dos meus anos ! ...


Fernando Pessoa

terça-feira, 18 de agosto de 2009

De joelhos

Há momentos em que, qualquer que seja a posição do corpo,
a alma está de joelhos.
 
Vítor Hugo

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Chocolate



TUDO O QUE PRECISAMOS É AMOR
MAS UM BOCADINHO DE CHOCOLATE
DE VEZ EM QUANDO NÃO FAZ MAL NENHUM.

 
Charles M. Schulz


Amaram o amor urgente
As bocas salgadas pela maresia
As costas lanhadas pela tempestade
Naquela cidade distante do mar
Amaram o amor serenado das noturnas praias
Levantavam as saias e se enluaravam de felicidade
Naquela cidade que não tem luar
Amavam o amor proibido, pois hoje é sabido
Todo mundo conta
Que uma andava tonta grávida de lua
E outra andava nua ávida de mar
E foram ficando mar
E foram ficando marcadas, ouvindo risadas
Sentindo arrepios
Olhando pro rio, tão cheio de lua
E que continua correndo pro mar
E foram correnteza abaixo
Rolando no leito, engolindo água
Boiando com as algas, arrastando folhas
Carregando flores e a se desmanchar
E foram virando peixes, virando conchas
Virando seixos, virando areia, prateada areia
Com lua cheia
E à beira mar




domingo, 16 de agosto de 2009

Musicas Perfeitas...

Dias Assim..


...Podes dizer ao mundo inteiro que estas letras são tuas. Assim como os
desenhos que fiz, os espaços que deixei. Podes dizer a toda a gente que um
dia te amei e que foste tu quem me fez poeta. Podes nadar em orgulho ao saber que todos os copos que bebi foram por ti. Que os cigarros que fumei
ansiosa e apressadamente foram pela saudade do teu corpo.

Quando falarem de raios e relâmpagos, de trovões e de tufões, vais poder
dizer que fui eu quem fez a China, quem ergueu muralhas e deitou as lágrimas
de sangue. Quando te perguntarem se um dia me conheceste, diz que sim.
Responde um afirmativo de poder e de vontade. Podes deixar o medo do conhe-
cimento alheio, agora que te sou realmente alheia. Quando um dia o mundo se
desfizer verdadeiramente em estações trocadas - o Verão pelo Outono ou o Inverno pela Primavera - aí podes descansar.
Podes contar à galáxia e aos seus
sobreviventes que... um dia me fizeste rainha....

José Eduardo Agualusa

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Final

Quero acabar como uma gata,
beber leite em tigelas de barro,
comer peixe fresco e fetos.
Quero ser uma gata para me deitar
entre os livros que estás a ler,
deixar pêlos meus pela casa toda,
arranhar-te as pernas. ...

Zoé Valdéz

Hoje acordei assim..

Te extraño
Como se extraño las noches sin estrellas
Como se extrañan las mañanas bellas
No estar contigo, por dios que me hace daño...

En esas noches que no concilio el sueño
No te imaginas amor, como te extraño....

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Onde te esperar

Quero de ti o que for simples
um aceno um postal
o teu nome numa concha
Ter apenas isto:
um banco de jardim
onde te esperar
e esperar

Vasco Gato

Tatuagem

A saudade é uma tatuagem na alma.
Só nos livramos dela perdendo um pedaço de nós.




Mia Couto

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Noites assim

Inventa a eternidade na simples comoção de olhar uma estrela.
Basta que a olhes pela primeira vez, depois de a teres olhado inúmeras vezes.
E, então, não precisarás de nenhum deus que te ponha a mão no ombro e diga estou aqui.
Uma estrela espera-te desde toda a eternidade.
Procura-a.
E vê se a não perdes durante a vida inteira.
A tua estrela pode não estar no céu.
Põe-na lá


Vergilio Ferreira

Insónia

Há três dias que durmo desordenadamente.
Transpiro e acordo e vejo casas que são desdobramentos da minha própria casa.
A verdade é que preciso de ti para um poema.
Preciso que te passeies por uma dessas casas, que te sentes, que te deites.
Preciso olhar para ti durante 27 segundos...

Vasco Gato

sábado, 8 de agosto de 2009

Morro de ti

NÃO É QUE MORRA DE AMOR, MORRO DE TI
Morro de ti , amor, de amor de ti,
da urgência da minha pele de ti,
da minha alma de ti e da minha boca,
E do insuportável que sou sem ti.

Jaime Sabines

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Espera


Horas, horas sem fim,
pesadas, fundas,
esperarei por ti
até que todas as coisas sejam mudas.
Até que uma pedra irrompa
e floresça.
Até que um pássaro me saia da garganta
e no silêncio desapareça.


Eugénio de Andrade

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Noites assim...


O que dói
É não poder apagar a tua ausência
e repetir dia após dia os mesmos gestos
O que dói
é o teu nome que ficou como mendigo
Descoberto em cada esquina dos meus versos
O que dói
é tudo e mais aquilo que desteço
Ao tecer para ti novos regressos


Daniel Faria

BEM ME QUER


quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Magnolia


A magnólia estende contra a minha escrita a tua sombra
E eu toco na sombra da magnólia como se pegasse na tua mão


Daniel Faria




terça-feira, 4 de agosto de 2009