sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Postais




Escreve sempre que precisares de me dizer 
que há gelo nas tuas mãos e nas paredes do frigorífico. 
Os legumes que trouxe ontem 
não sobrevivem a mais do que uma geada, 
muito menos nós. 

 Escreve sempre que precisares, podes 
dizer-me outra vez que nunca houve inverno, 
que este ano não há verão, 
que estamos aqui e não estamos porque não sabemos
se somos nós ou se somos aquelas
 quatro pessoas que vão à rua agora, 
encontraram a porta certa. 

 Escreve sempre que precisares, faz
 uma lista de compras, uma lista de desejos, 
anota todos os pedidos que deixaste 
em poemas atrasados. 
Escreve sempre que precisares 
de mais um postal com selo e carimbo.
 Escreve sempre que riscares 
na tua agenda mais uma morada. 

 Sempre que eu precisar vais devolver-me 
uma caligrafia rebuscada que não é a tua, 
curvas a mais que não fazias na letra d. 
Já não há desses manuscritos, 
só eu e os carteiros aprendemos a decifrá-los
 (e toda a gente sabe que nem isso é verdade). 
Vai escrevendo. Sempre que eu precisar,
 as frases podem desviar deixas decoradas,
 repetidas como as mentiras, 
demasiado gastas para serem inócuas. 






 Margarida Ferra