terça-feira, 22 de agosto de 2017

pediste-me o livro da emoção




Melhor fora que viesses sem saber
 de mim o que quer que fosse. 
Isso é que seria recomeçar a valer
 e não apenas com o que te trouxe.
 Para que isto não ficasse viciado
 à partida, protegia metade da alma. 
A metade que, quando estou deitado,
 fica para baixo e me acalma.
 Que corpo afectivo e voraz
 me deixa assim contente e vivo? 
O corpo que sempre me traz 
razão activa ao meu ser passivo.
 Pediste-me o livro da emoção
 e nele não leste nenhum compromisso. 
Discutimos antes a decoração,
 um de nós tem de ceder nisso. 






 Helder Moura Pereira
 (Foto de Laura Makabresku)

1 comentário:

  1. Magnífico poema de Helder Moura Pereira. Obrigada pela partilha.
    Um beijo.

    ResponderEliminar